Como liderar e dar voz às mulheres de sua empresa?



10 de maio de 2019
por: Marcela Leone


*Mônica Schimenes, fundadora e CEO da MCM Brand Group

O desafio que eu sempre quis está aqui, que é dar voz às mulheres, destaque aos negros e liderança aos LGBTI+. Eu, como mulher, sei como é difícil uma empresária ganhar evidência em um “mundo dos homens” e, por ter vivenciado isso, me comporto de uma forma contrária a essa situação. Sendo assim, acredito profundamente no potencial das mulheres que me cercam e de tantas outras que ainda terão seu espaço conquistado. Com essa mentalidade, a minha empresa teve destaque e sucesso, que perduram mais de 20 anos.

Com o espaço que conquistei, vejo claramente como a pluralidade teve impactos positivos no meu negócio. Pensamentos múltiplos e origens distintas geram visões diferentes e fazem com que a empresa seja um lugar de constante inovação. Mesmo assim, não podemos acreditar que o trabalho já está feito, pois ainda temos muito espaço para conquistar, considerando que – nos últimos 4 anos – o número de mulheres em cargos de liderança diminuiu, segundo o IBGE. Por isso, devemos nos atentar a diferença entre o discurso e a prática.

Muitas práticas estão envolvidas para que essa situação desfavorável perpetue, tanto que uma delas envolve a gestão e o fato de muitos líderes ainda acreditarem que a presença de um filho na vida da mulher é um empecilho para que ela não se dedique ao trabalho, o que sei – por experiência própria, que não é verdade. Nós, mulheres, não precisamos escolher entre trabalho ou família, o “OU” não precisa fazer parte de nossas vidas quando usamos tão bem o “E”. Sou mãe e empresária, sou mãe e cantora, sou mãe e palestrante, sou múltipla.

Além disso, estudos já provaram os inúmeros benefícios palpáveis da presença de mulheres nas empresas, como – por exemplo – números maiores, até mesmo, no patrimônio líquido. As mulheres estão diretamente ligadas a isso, um aumento de 30% da presença feminina em cargos de liderança equivale a um aumento de 15% de rentabilidade, segundo o Instituto Peterson de Economia Internacional.

O que precisamos agora é de uma mudança de pensamento para dar espaço àquelas que tanto se dedicam ao que fazem. As mulheres são inovadoras, multidisciplinares e tantas outras coisas, que deixam as empresas que contam com elas a frente das demais. Ainda mais quando se trata de inovação, gerando uma proposta de ainda mais valor para o negócio, sendo possível apenas com as perspectivas diferentes que grupos diversos podem trazer.

Como líder, estou atenta ao cenário ao meu redor, fazendo dele uma parte da minha transformação, enxergando oportunidades, fomentando discussões, buscando e propagando conhecimento sobre inclusão – tópicos esses tão importantes na sociedade, ainda mais se falando de um país tão diverso como o Brasil. Gosto da forma como Vernã Myers – VP de Inclusão da Netflix – trata essa questão, pois ela reconhece duas situações e as diferencia como ‘convite ao baile’ e ‘convite para dançar’ – a primeira delas é feita por pessoas que acreditam na diversidade e a segunda é para quem realmente transforma a realidade. Eu, por exemplo, danço quando mentoro, empodero, compartilho, vivo, dou voz e vez a mulheres e ao potencial que vejo em cada uma dela.

Portanto, o desafio de dar voz às mulheres é uma das grandes conquistas da minha empresa. A inclusão é para mim um realidade trabalhada diariamente. Além de impactos positivos no dia a dia, busco fazer com que elas acreditem que podem ser o que quiserem ser, onde quiserem e como quiserem, o que é fundamental para formação de grandes líderes.

*Mônica Schimenes, 45 anos, formada em Comunicação Social – Relações Públicas, pela Fundação Cásper Líbero, é fundadora e CEO da MCM Brand Group, grupo de comunicação integrada e atuação nacional e internacional, comprometido com a performance e responsável com a diversidade e inclusão. A empresária contempla mais de 20 anos de experiência em gerenciamento de marketing, comunicação e eventos, conquistou um portfólio sólido de clientes e importantes relacionamentos institucionais. Pelo programa SEBRAE no Pódio, foi para Londres, onde qualificou o seu negócio internacionalmente, para atender eventos de grande porte. Esse legado foi espalhado no Brasil, com parte do Comitê de Equidade Racial e de Gênero para as Olimpíadas Rio 2016. Em 2017, conseguiu elevar a empresa graças ao Programa de Mentoria para Fornecedores de Diversidade da Monsanto, pelo qual foram selecionados. Durante todos esses anos de caminhada, Schimenes se associou e fez parcerias com diversas ONGs, como a Integrare (Centro de Integração de Negócios), Sebrae no Pódio, WeConnect International (empreendedorismo feminino – mulheres e empreendedoras pelo mundo inteiro), Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+. Em 2018, Mônica realizou duas importantes palestras, uma delas foi na I Conferência Regional sobre a diversidade e inclusão de fornecedores para a América Latina e Chile – do WEConnect International – e a outra no Evento de Celebração da assinatura BASF com os compromissos da ONU Mulheres. Para este ano, a empresária terá participação no She2B, programa de desenvolvimento de fornecedoras da P&G e WEConnect International. Alguns dos clientes atendidos em sua empresa são: IBM Brasil, Stefanini, Red Hat, BASF, Nextel, Dell, Monsanto, Mizuno, Unilever, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.